Entrevista: Emerson de Oliveira, diretor de Logística da Huawei

Fundada em 1987, a Huawei é líder global em soluções de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), e uma das 100 marcas mais valiosas do mundo, de acordo com a Forbes. A companhia tem a visão de enriquecer a vida das pessoas por meio da comunicação, e é dedicada à inovação centrada no cliente. A Huawei está presente em 170 países e territórios, nos quais emprega cerca de 197 mil funcionários. Na entrevista que se segue, Emerson de Oliveira, diretor de Logística da empresa, mostra como é no Brasil essa gigante da tecnologia, que atende a mais de um terço da população mundial.

Desde quando está no Brasil e quais as principais áreas de atuação aqui?
A Huawei está no Brasil há 23 anos. Nossos serviços e soluções estão presentes no país desde o 2G; participamos da transformação digital do Brasil em conjunto com operadoras e pequenos provedores de internet.

Como são as atividades da empresa em relação à logística?
Em Logística, as tecnologias Huawei ajudam a projetar e implementar uma infraestrutura de transporte inteligente – desde redes ferroviárias e urbanas até aeroportos – usando computação em nuvem, big data, Internet das Coisas (IoT), redes mais velozes com 5G, redes sem fio. Ao promover o uso crescente das TIC no setor de transportes, a Huawei ajuda a otimizar os serviços do setor, tornando a viagem mais conveniente, segura e eficiente. A Huawei vem desenvolvendo soluções inteligentes para parques logísticos, aeroportos, portos, estradas e tráfego de cidades.

O que a empresa quer ser daqui a 5 anos no Brasil?
A Huawei está operando há 23 anos no Brasil, em parceria com operadoras de telecomunicações, provedores de internet, verticais da indústria, governos e instituições educacionais, com foco na conectividade e transformação digital do país. Já estamos trabalhando para a nova era digital, investindo em treinamento de pessoas, pesquisa e desenvolvimento, assim, poderemos continuar fornecendo as melhores soluções e equipamentos para nossos clientes, além de contribuir para a sociedade. Nosso objetivo é construir um mundo totalmente conectado e inteligente para todos.

Nesse momento de revolução tecnológica, como a Huawei encara as tecnologias disruptivas e como prepara seu avanço no setor?
A Huawei encara a tecnologia e a inovação como uma maratona ao invés de um sprint, o que requer dedicação, energia e paixão. Para isso, a empresa tem investido mais de 10% de sua receita anual em pesquisa e desenvolvimento. É por isso que nos tornamos um dos maiores detentores de patentes do mundo. Em 2019, ficamos entre os 10 maiores detentores de patentes concedidas na Europa e nos EUA. Temos mais de 85.000 patentes em todo o mundo.

Como a infraestrutura deficiente do País impacta a logística das empresas?
O Brasil ainda tem muito a melhorar em relação à infraestrutura logística, incluindo todos o modais, rodoviário, ferroviário, marítimo e aéreo. A  infraestrutura deficiente representa custos logísticos maiores, menor eficiência e menor segurança, o que torna o Brasil menos competitivo comparado a países mais estruturados. O investimento na melhoria da infraestrutura associado ao uso das tecnologias irão contribuir para construção de um ambiente de negócios mais favorável.

Como está sendo enfrentar a pandemia?
Primeiro, observamos que a agenda digital se tornou mais importante para todas as partes interessadas da sociedade, ou seja, governo, organizações e pessoas. Todos eles perceberam que a transformação digital pode melhorar vidas, aumentar a eficiência e oferecer serviços mais rápidos e melhores. Esta percepção parece provável, pelo menos em parte, ir além da fase pandêmica em que nos encontramos.

Em segundo lugar, pudemos ver que o serviço de banda larga fixa se tornou mais visível e relevante para a vida das pessoas. Todos nós começamos a usar mais Home Office ou Aplicações de Educação Remota, o que implicava em uma gama mais ampla de aplicações de uso residencial. Isto evidenciou ainda mais a importância da experiência de download e upload nas casas.

Em terceiro lugar, no mercado de Banda Larga Móvel, pudemos ver mais demanda de cobertura em regiões que antes não tinham tanto uso. Portanto, uma infra-estrutura móvel ainda mais ampla era exigida por pessoas e organizações. E pudemos ver que as operadoras são sensatas a isso e tentam atender a essa demanda o máximo possível.

Em quarto lugar, apesar destas mudanças, pudemos observar que não houve nenhum colapso da infra-estrutura de telecomunicações, mostrando que as operadoras brasileiras estavam preparadas para enfrentar um desafio tão grande e imprevisível.

Por que a empresa se associou à Abralog?
Entendemos que a Abralog tem um papel importante na logística integrando empresas, profissionais da area, outras entidades e Governo , a fim de promover o desenvolvimento do setor como um todo. E nesse sentido a Huawei, junto aos outros associados, pode desempenhar um papel importante e contribuir com a evolução e transformação do setor, principalmente em relação a aplicação de novas tecnologias.



Deixe uma resposta