Logística Internacional no Nordeste

Por Sérgio Maia

Logística internacional é o ramo da logística que tem como objetivo tratar do comércio internacional, ligando fabricantes e produtores aos seus parceiros da rede, como fornecedores, transportadores e operadores em diversos pontos do mundo.

O Brasil representa menos de 1,2 % do comércio exterior mundial e em 2020 ocupou a 27ª posição no ranking de comércio internacional (fonte: www.comexdobrasil.com). O país possui como principais parceiros comerciais: China, Estados Unidos, Japão, Argentina, Chile e Paraguai. A região Nordeste do Brasil possui maior destaque para exportação de produtos provenientes de agronegócios, sendo a 4ª região do Brasil que mais exporta produtos desta categoria, aproximadamente 7,9% do comércio internacional do Brasil (fonte:  Informe Etene do Banco do Nordeste de Julho/2020).

A região Nordeste possui o maior número de estados do Brasil (nove estados), com participação mais significativa do comércio exterior nos estados da Bahia, Pernambuco e Ceará, que juntos representam quase 9% do PIB nacional. Estes três estados possuem como principais produtos os itens de: agronegócios, minérios, calçados, têxteis, químicos e veículos.

A Logística e o Comércio Internacional crescem com programas/acordos governamentais e melhorias da infraestrutura que aumentam a competitividade, entrada de novas empresas no mercado e o incremento do volume de negócios, vide o acordo de livre comércio entre União Europeia e o Mercosul que abre para o Brasil um mercado com mais de 520 milhões de pessoas. Outro importante projeto é a BR do Mar, que irá reduzir a dependência do modal rodoviário no Brasil, inclusive permitindo que armadores internacionais operem com cabotagem (navegação entre os portos do mesmo país).

Os investimentos em ferrovias (Ex.: Fiol – Ferrovia de Integração Oeste Leste) que perpassa pelo Norte, Centro (Goiás), desembocando no porto de Ilhéus na Bahia, assim como os programas federais de privatização operacional de portos e aeroportos com intuito de melhorar a infraestrutura, aumentar investimentos, modernização e redução dos custos com transportes e logística internacional no país, também, são bem-vindos.

Reforço que não adianta apenas as ações elencadas anteriormente para o crescimento da Logística e do Comércio Internacional no Brasil, os governantes precisam reduzir a excessiva carga tributária (Custo Brasil) que incide nestas operações, além da redução da burocracia e maior digitalização nas operações internacionais, para não perder velocidade e aumentar a eficiência nas transações.

No Brasil o Comércio Exterior possui uma dependência muito maior do transporte marítimo do que de outros modais como o aéreo, que possui restrições de espaços e altos custos para operação, chegando o marítimo no Brasil a representar quase 90%  da logística internacional.

O transporte marítimo é estratégico, por transportar grandes volumes a baixo custo entre os países com agilidade/eficiência e que conta com uma abrangência enorme, visto que nosso planeta conta com 70% da superfície coberta por mares.

No Nordeste, mais especificamente nos três estados mais representativos economicamente (Bahia, Pernambuco e Ceará), temos boas oportunidades de aumentar a capacidade e estruturas portuárias para movimentação e armazenagem de mercadorias na Logística Internacional. Principais portos e aeroportos:

Bahia, possui mais de 38 milhões de toneladas de capacidade existente de instalações portuárias (fonte:  Usuport 2020). Possui a melhor baía para instalações portuárias do Brasil (Baía de Todos os Santos) e , como principais portos: Porto de Salvador, que deveria ser duplicado, diante da alta demanda existente (inclusive há projeto da Usuport Bahia para isso) e o Porto de Aratu-Candeias. O Porto de Salvador é o único porto do Brasil com eficiência para “hub terminals”, com bom clima operando 365/24, acesso marítimo 2h e com ligação com a Via Expressa, sem permitir que caminhões entrem na cidade do Salvador. Além desses dois portos temos:  o TUP Gerdau, TUP Cotegipe, Tup Petrobrás Regaseificação e Temadre, TUP Enseada Maragogipe, Tup Miguel de Oliveira (Ex-Ford), Base Naval e o Porto do Moinho Dias Branco, bem como o aeroporto Internacional de Salvador.

O Porto de Suape, em Pernambuco, é o maior porto com movimentação de cargas do Norte/Nordeste e 5º em movimentação do Brasil, além do Aeroporto Internacional do Recife e do Aeroporto Internacional de Petrolina, que possui a maior pista de aterrisagem do Nordeste com 3.250 m de comprimento x 45 metros de largura, impulsionado pela produção do Vale do São Francisco, maior exportador de frutas do Brasil nativas de Juazeiro/Ba e Petrolina/Pe.

O Porto do Pecém, no Ceará, com 18 milhões de toneladas de cargas de capacidade e o aeroporto Internacional de Fortaleza.

O Nordeste possui mão de obra farta e barata, muitos recursos naturais para atração e retenção de negócios com geração de energia limpa e a baixo custo (eólica e solar quase 365 dias por ano), boa localização geográfica para o Comércio Internacional de cargas com a Europa, Estados Unidos e também com a China, além de outros continentes.

Com boas  políticas públicas e de crédito para investimento e das empresas no Comércio Exterior, melhoria na infraestrutura logística, capacitação técnica com cursos de idiomas, inserção de pequenos e médios no CE, temos a possibilidade de alavancar a Logística Internacional na região, que  poderá ser elevada a um novo patamar, além de desenvolver outros setores econômicos como turismo e serviços, que cresceriam juntamente com a expansão do Comércio Exterior, gerando mais emprego, renda e atraindo capital para o Nordeste, região de povo com alma forte, trabalhador e arretado!

Sérgio Maia –  Consultor e profissional de Logística há 22 anos.

sergio.maia1008@gmail.com



Deixe uma resposta