Nova associada Abralog: Carbono Zero

A Carbono Zero, empresa que oferece logística urbana de forma expressa, inteligente e sustentável com a utilização de bicicletas e veículos elétricos para o transporte de  documentos, produtos, exames, revistas e alimentos, acaba de se tornar associada Abralog. O Gestor de Novos Negócios, Nelson Pinto de Carvalho explica que a equipe conta com mais de 230 profissionais à disposição dos clientes em São Paulo e Grande São Paulo, realizando mais de 70 mil entregas por mês. O executivo também comenta como essa parceria pode fomentar os seus negócios no setor da logística.

Por que se associar?

R: Acreditamos que devido a Abralog ser muito representativa no mercado logístico brasileiro, consigamos abranger com nossa filosofia de entregas sustentáveis um maior número de empresas que se preocupam com o meio ambiente e a sociedade.

 Por que você está com a Abralog?

R: Estamos com vocês na busca de uma logística sustentável e eficiente.

O que ela traz de importante?

R: Por meio de seus comitês e associados, garante que tenhamos voz junto aos órgãos reguladores, proporcionando um eco maior nas reivindicações da logística.

Estar com a Abralog tem significado de estar atualizado com a logística?

R: Estar com a Abralog é acreditar que estamos na vanguarda do que o mercado logístico pode oferecer a nível mundial e local. É trabalhar para uma logística sustentável, econômica e de qualidad

Como vê a logística brasileira?

R:  A logística é obrigada a se ajustar cada vez mais com as normas urbanas de entrega, e exigências governamentais e demanda populacional. Percebo muitos especialistas buscando formas de melhorar a rotina de interligar o produtor ao consumidor final dentro da política do mercado. O profissional de logística sempre está equilibrando esses pontos para atingir os objetivos, a satisfação dos clientes e as metas de desempenho cada vez mais rigorosas

Quais são os grandes entraves para a mobilidade urbana? Como se pode resolver isso?

R: A mobilidade urbana em grandes centros, exige das empresas, uma constante busca de alternativas. Antes carros e motos podiam transitar fazendo coletas e entregas, hoje estão proibidas de circular, sem que as prefeituras tenham uma alternativa que atenda a demanda. Tudo é mais complicado, geram custos, causam congestionamentos no entorno e consequentemente aumento nos custos da última milha.

Há oito anos, a Carbono Zero, entrega mais que encomendas e documentos em grandes centros. Entregamos saúde e reduzimos emissões de gases sem congestionar o entorno de onde atuamos. Em uma vaga que cabe u automóvel de carga, colocamos oito ciclistas entregadores, que podem sair para oito locais diferentes e com maior rapidez.

Pensar fora da caixa, buscar alternativas, dialogar com os órgãos públicos, são alternativas. Acreditamos que hoje, a logística como é executada nos grandes centros, passarão a não mais serem aceitas pelos clientes, pois o trânsito, poluição sonora e da atmosfera por conta da emissão de gases causam problemas graves de saúde e contribuem para a redução da expectativa de vida.

No segmento em que atua a Carbono Zero já risco de roubo?

R:  O risco de roubo, infelizmente é uma constante no mercado logístico. Aqui na Carbono Zero, sofremos com o furto de bicicletas e não dos produtos. Todos os meses, temos até duas bicicletas furtadas e isso já faz parte de nossa rotina.

Faça uma análise das dificuldades da chamada last mile e como a Carbono Zero enxerga esse cenário e como atua nele?

R:  Sabemos que na logística, o last mile ou última milha, corresponde a 28% do custo com transporte. Os operadores logísticos perseguem esta redução de várias maneiras tendo em vista manter a excelência dos serviços, mas sabemos que sem mudar a forma como trabalham, a tarefa continua obtendo êxito.    A Carbono Zero acredita que a soma de um modelo de transporte do Século 19 aliada a tecnologia do Século 21 seja a solução de sucesso para a última milha.    Bicicleta, soluções tecnológicas e veículos elétricos, são o que garantirão o sucesso da última milha nos grandes centros urbanos.

 



Deixe uma resposta