O frete que derrubou o PIB

André Alarcon de Almeida Prado, CEO da BBM, foi escalado para mostrar as consequências da tabela de fretes surgida após a greve dos caminhoneiros. No embalo do frete o palestrante vai abordar também situações de burocracia que engasgam a logística brasileira. Ou, como ele diz, “aqui há duas logísticas, a física, de produtos, e a fiscal”.

Para ele, a questão do frete, que motivou a greve, serviu para que o Brasil descobrisse pelo caminho mais doloroso a importância da logística – e de quebra ainda deixou claro que se tivéssemos a multimodalidade, os impactos teriam sido menores.

O palestrante vai comentar detalhes da tabela, como casos em que quilometragem maior é mais barata que uma menor, inversão que também ocorre com a carga geral sendo mais cara que a frigorificada. Vai dizer também que a tabela de fretes precisa levar em consideração o tipo de veiculo para cada operação. E evitar erros como este: um veiculo de 2 eixos não é a metade de um 4 eixos, tal com a tabela atual considera.

Mas vai apontar também que uma espécie de novo ciclo surgiu, o de muitas empresas partindo para a compra de frota própria. Motivos para se precaver não faltam: a greve trouxe prejuízo estimado de R$ 15,9 bilhões para o País, preço dos 11 dias de paralisação, além de a tabela de fretes ter provocado aumento da inflação e redução do PIB em R$ 7 bilhões.

Mais informações sobre a Conferência Nacional de Logística (CNL)
https://www.intermodal.com.br/pt/conferencia-intermodal

Inscrições:
Bruna Felipe | Telefone: +55 (11) 4632-0244 |
bruna.c.felipe@informa.com

Foto: Divulgação



Deixe uma resposta