Setor do tabaco reduz a zero roubos de carga de tabaco cru

A análise e os resultados sobre a segurança no transporte do tabaco da safra 2020/2021 foram apresentados pela comissão de Segurança do Sindicato Interestadual da Indústria do Tabaco (SindiTabaco) a autoridades da segurança pública, em reunião realizada na sede da entidade, nesta quinta-feira, 30 de setembro. O momento foi de boas notícias, já que o número de roubos de cargas de tabaco cru da última safra foi zero nos três estados do Sul do Brasil: Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Estiveram presentes o delegado Regional de Polícia, Luciano Fernandes Menezes; e o tenente-coronel da Brigada Militar, Giovani Paim Moresco.

Ao abrir a reunião, o presidente do SindiTabaco, Iro Schünke, lembrou que os bons resultados se devem à união entre o excelente trabalho dos órgãos de segurança pública e o esforço das indústrias de tabaco em apoio aos transportadores e para agilizar as comunicações de incidências. “A participação dos órgãos de segurança foi de fundamental importância para chegarmos a esses resultados”, comentou o executivo.

Na sequência, Juliano Glesse, representando a comissão de segurança do SindiTabaco apresentou os números de roubos de tabaco cru nos últimos três anos, mostrando que em 2019 ocorreram 26 roubos de cargas, em 2020 foram nove ocorrências e em 2021 não foi registrado nenhum caso. Também foram apresentadas as estratégias adotadas pelas indústrias e transportadores para monitorar as cargas, inclusive com a implantação de dispositivos eletrônicos colocados como iscas em fardos de tabaco. Com isso, foi possível haver comunicações aos órgãos de segurança e a recuperação das cargas.

Para o delegado Luciano Menezes, a implantação dos sistemas eletrônicos de monitoramento do tabaco e a rápida solução dos últimos casos de roubos de cargas, intimidaram os ladrões. “A notícia se espalha e é um desestímulo para quem planejava roubos de cargas”, comentou. Ele sugeriu seguir com o trabalho feito e ampliar a questão pedagógica direcionada aos transportadores e produtores sobre como agir com segurança.

E o tenente-coronel Giovani Moresco complementou que a comunicação rápida das ocorrências faz diferença para a recuperação das cargas. “Em um minuto, conseguimos colocar uma placa de veículo no sistema de alerta de todo o Estado. Então, quanto mais rápida for a informação, melhor”, comenta. Por isso, as autoridades da segurança pública sugeriram criar mecanismos para reduzir ainda mais o tempo de resposta entre a ocorrência e a comunicação.

Como planos para a safra 2021/2022, a comissão de segurança apresentou a arte do adesivo ‘Carga segura’ para os caminhões e o projeto de criação de um aplicativo para haver acompanhamento em tempo real e ainda mais rapidez e facilidade na informação e comunicados. Também foi elaborado um novo folder para os transportadores lembrando a importância da continuidade das práticas de transporte seguro que já deram bons resultados.

COMO O SETOR CHEGOU A ZERO ROUBOS
A redução nos roubos de cargas de tabaco cru se deve ao trabalho realizado nos últimos anos, pelo qual os transportadores passaram a receber orientações sobre segurança e a contar com um canal de atendimento sobre ocorrências ou suspeitas de ataque iminente. Outras estratégias adotadas foram: elaboração do plano para comunicação imediata dos eventos; padronização entre as associadas das regras e boas práticas de segurança para o transporte; desenvolvimento e distribuição do guia de segurança para os transportadores; e mapeamento das zonas críticas para ser entregue às instituições de segurança pública.

  • RECOMENDAÇÕES PARA PREVENÇÃO DE OCORRÊNCIAS
    As medidas de prevenção de ocorrências são tema de folder distribuído aos transportadores de tabaco e de insumos agrícolas do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina. Veja as recomendações.
    –  Assegurar que o veículo esteja devidamente abastecido para evitar paradas não programadas.
    –  Procurar usar postos 24 horas com estacionamento próprio, vigilância e sistema de câmeras de segurança para as paradas.
    –  Evitar a exposição da carga, deixando-a em local protegido e seguro.
    –  Sempre que possível deixar o veículo em local com boa iluminação.
    –  Manter disponíveis e acessíveis os contatos de emergência – Brigada Militar – Polícia Civil e SAMU.
    –  Evitar viajar à noite e não desviar da rota.
    –  Não dar carona a pessoas alheias à operação de transporte de tabaco, inclusive para familiares ou conhecidos.
    –  Não repassar informações a terceiros sobre a carga, rotas e sobre os sistemas de segurança do veículo.
    –  Sempre que possível, viajar em comboio com contato visual permanente, dificultando a ação dos assaltantes.
    –  Se o motorista notar alguma situação suspeita, deve procurar o mais rápido possível parar o veículo em um local movimentado e acionar a polícia.
    –  Lembrete: contatos de emergência: 190 – Brigada Militar; 191 – Policia Rodoviária Federal; 192 – SAMU; 193 – Bombeiros; 197 – Polícia Civil; 198 – Polícia Rodoviária Estadual.

Fotos: Sinditabaco e Divulgação



Deixe uma resposta