Yamalog busca mercado e qualidade é trunfo

Dois anos depois de ser criada como a primeira unidade de logística da Yamaha em todo o mundo, a Yamalog quer usar a alta performance obtida para voltar-se com intensidade aos clientes externos, inspirada no valor que dá à qualidade, excelência operacional, vocação e gestão de custos, como explica Eurydes Barcellos, diretor de Planejamento e Operações.

“Em 3 anos queremos ser reconhecidos pelo mercado como uma das melhores empresas de logística”, diz. Esse objetivo já está sendo trilhado: a Yamalog pretende neste ano pular de R$ 55,66 milhões, faturamento de 2018, para R$ 105,02 milhões, um avanço de 89%.

Daí em diante, há outros grandes saltos projetados: 26% neste ano; 32% no próximo; e 22% em 2021, ao final do qual o faturamento deverá chegar a R$ 213,10 milhões, ou quase 4 vezes mais que o de hoje. Detalhe: “45% virão de novos clientes”, afirma o diretor Eurydes Barcellos.

Expansão na mira – Na busca de mercado, a empresa de logística tem planejada a criação de centro de distribuição no Paraná, em 2019, que atenderá também ao vizinho Estado de Santa Catarina, e no ano seguinte quer fazer o mesmo no Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

No momento em que volta os olhos com mais atenção para novos clientes, a Yamalog tem consolidada uma espécie de “lição de casa”, iniciada a partir de abril de 2018, quando começou a conquistar bons clientes, como a fabricante de farinha de trigo Moinhos Cruzeiro, a indústria de alumínio Novelis e a Norte Brasil, empresa de logística. Para eles, a Yamalog transporta, distribui, armazena e gere a logística.

Os próximos passos incluem principalmente a atração de fabricantes de alimentos e produtos de higiene e beleza, além, claro, dos fabricantes de peças para moto. Nos planos há ainda duas certificações que estão planejadas – a da Anvisa, para o setor alimentício e de higiene pessoal, em 2020, e a ISO 45001, voltada para segurança e saúde ocupacional.

Outro estilo – Do estilo da Yamalog fazem parte detalhes como a reflexão, comedimento, muita observação e a paciência, atributos próprios da ascendência oriental. Assim, o surgimento da Yamalog foi uma alternativa pensada de abandonar o uso tradicional de operadores logísticos, ao quais não se adaptava totalmente, para ela mesma criar um. Ao seu modelo e desejo de perfeição, mas sem deixar de ser fortemente um negócio autossustentável.

“O pulo do gato é o nível de serviços”, esclarece, com satisfação, o diretor de Planejamento e Operações, para em seguida afirmar que hoje a empresa “performa melhor e com custo menor” o transporte de motos e produtos náuticos da Yamaha (entre 7% e 10%), além de encurtar o prazo de entrega em 3 dias.

Linha do tempo e Kando – A trajetória da Yamalog iniciou-se em janeiro de 2017, com matriz em Manaus (AM) e filial em Guarulhos (SP), atuando na armazenagem, faturamento e expedição dos produtos acabados da Yamaha – motocicletas e ítens náuticos. Em 3 meses a Yamalog passou a fazer transporte outbound para escoar cerca de 12 mil produtos por mês, operação saindo de Manaus com destino aos 11 CDP’s (Cross Docking Points) espalhados pelo País.

Neste mesmo período, o braço logístico da Yamaha passou a realizar também a logística reversa das embalagens e o transporte inbound, com insumos que abastecem a produção em Manaus. Para suportar esta operação que possui um trecho fluvial, abriu-se uma filial em Belém, responsável pela recepção das carretas e programação do transporte rodoviário.

Passados 6 meses de sua inauguração, em junho de 2017, um momento crucial: a Yamalog assumiu as atividades de armazenagem, faturamento e expedição de peças no CD localizado em Guarulhos/SP, operação complexa que abastece todo Brasil e que possui mais de 55 mil itens em estoque.

“Os resultados financeiros e operacionais da empresa superaram o desenho inicial do projeto e inauguramos mais uma filial em março de 2018, em São Paulo (SP)”, recorda Eurydes Barcellos.

Com operação de transporte porta a porta, a empresa de logística passou a responder pelo abastecimento de produtos acabados de toda a rede de concessionárias da Yamaha. Um novo cenário – mais de 70 lojas em todo Estado e agora com contato direto com o cliente final. A estrutura já contava com 160 caminhões com rastreadores, adquiridos pelo sistema de leasing, e 24 mil metros quadrados de armazéns e mais de 200 colaboradores.

Em abril de 2018, a empresa começou a atender clientes externos , para no mês seguinte, realizar também a distribuição de produtos Yamaha na região Norte do País, uma malha logística complexa que exige a inclusão de embarcações para realização da operação na parte hidroviária.

A forte presença oriental na Yamalog não se percebe apenas pelo fato de a marca vir do Japão, de haver diretores daquele país no comando, pela busca da qualidade, mas também por uma palavra japonesa sem tradução no português; pronuncia-se kandô e quer dizer Empolgação, Confiança, Inovação, Laços e Emoção. Está aí o “pulo do gato” ao qual se refere o diretor Eurydes Barcellos. Kando!



Deixe um comentário