quarta-feira, 19/06/2024

ASSOCIE-SE

Black Friday logística

Sergio Maia

Atualmente, no Brasil, a data mais esperada do ano para vendas é o Black Friday, que ocorre na  última sexta-feira do mês de novembro. O Black Friday surgiu nos Estados Unidos e, hoje, é adotado também em vários países do mundo. Sua principal características são os descontos “agressivos” nos preços dos produtos. Vale frisar que a Black Friday surgiu para os brasileiros, pela primeira vez, em 2010 e que antes as datas mais importantes para vendas, principalmente no varejo, eram o Natal, em primeiro lugar,  e depois o Dia das Mães.

Para a Logística, todo pico de vendas, precisa ser muito bem planejado de ponta a ponta (end-to-end), desde a previsão (forecast), compra dos volumes e produtos, faseamento das entregas nos CD´s e HUB´s, até a entrega final, quer seja na loja, ou no cliente, indiferente qual seja o canal de vendas (omnichannel), para evitar ruptura de produtos e/ou falhas nas entregas.

O aumento de demanda deve ser organizado pela área de Supply Chain,  comunicado e alinhado sempre com a  Logística, para essa executar um planejamento  em acordo com os volumes projetados,  principalmente porque  o cliente está cada vez mais exigente, com a sua experiência positiva de compra.

Aqui vale uma observação, que a tendência do Black Friday 2022 no Brasil é muito positiva e com uma projeção de aumento significativo de volumes frente à 2021, inclusive a Amazon, no Brasil,  criou pela primeira vez em 2022 o Prime Day, para seus clientes e membros Prime, para impulsionar vendas do seu site,  evento esse que ocorreu no Brasil em junho de 2022, e que , para a surpresa dos operadores de Last Mile e do mercado no Brasil, chegou a superar os volumes de vendas da Black Friday de 2021, ou seja apenas uma rede, a Amazon, conseguiu superar os volumes de todas as redes na Black Friday de 2021;  com isso os operadores logísticos de e-commerce, empresas de Last Mile, Marketplaces já estão tomando como referência para o planejamento de Supply e  Logística do Black Friday de 2022 o evento Prime Day Amazon de 2022. Não é incrível como E-commerce tem crescido no Brasil?

Mesmo com o momento recessivo do mercado e de alta da inflação, o e-commerce consegue aumentar os seus volumes, principalmente pela entrada cada vez maior e diária de novos clientes. Hoje estima-se que o e-commerce no Brasil esteja situado em uma fatia de 12% do mercado de vendas nacionais, tendo picos de 15%, como espera-se para a  Black Friday 2022. Apenas como informação, nos Estados Unidos já estima-se um e-commerce representando aproximadamente 35% do mercado de varejo e na China mais de 50%, inclusive esse é o principal fator da intensificação do uso de drones, robôs, carros autônomos, carros voadores e outros projetos para entregas automatizadas dos clientes desses locais, pois faltam entregadores por lá.

Voltando para a Logística e a Distribuição Urbana é muito importante as empresas fazerem previsão antecipada das suas operações, quando ocorrem essas datas de forte impulsão nas vendas,  nos ajustes das equipe, densidade de frota nas áreas com maior demanda, contingências nas entregas e turnos extras de operação, se preciso,  para que as falhas sejam mínimas e a forte demanda  possa ser atendida.

Conversando com alguns operadores logísticos de Last Mile, a previsão e o setup de aumento de demanda estão sendo cravados entre 30% à 35%, tendo como referência o Prime Day Junho 2022 para e-commerce. Com isso as equipes estão sendo ajustadas, sendo oferecido atrativos para buscar mais entregadores no período, algumas empresas também alugando frotas extras para as contingências de entregas que caiam no site Reclame Aqui, entregas expressas,  reentregas, aumento dos volumes. Também, estão  reforçando o uso da tecnologia nas operações, por exemplo os roteirizadores com Waze / Google Maps são muito úteis na gestão das entregas, pois geralmente estão ligados à torres de controle, conseguindo auxiliar o monitoramento e gestão das entregas on time, rastreamento das cargas e contingências, coletas e devoluções de mercadorias, ou seja, estão gerando informação em tempo real para maior visibilidade de todas as etapas da cadeia logística e com isso reduzindo, significativamente, as entregas com ocorrências; também estão usando  sistemas de canhotos eletrônicos, dashboard´s automatizados,  para follow-up das operações, chat com os motoristas em real time, chatbot com os clientes, entre outras facilidades que a tecnologia proporciona, estrutura e acelera o fluxo logístico.

Sinalizo que muitas empresas, que irão participar da Black Friday 2022, irão fazer promoções desde o final da 1ª quinzena de novembro (Pré-Black), com descontos progressivos até a data do Black Friday, onde os descontos costumam ser maiores,  visando fasear o volume de vendas da operação e estimular os clientes a realizarem compras antecipadas. Assim, a logística agradece, pois coloca menos “peso” no  Outbound, principalmente na gestão do transporte / distribuição.

Esse ano,  para colocar mais pressão e volumes de entregas na Logística, da Black Friday 2022, haverá também a Copa do Mundo do Catar, logo mais vendas e movimentação de pacotes que o normal.

A Copa começará dia 21/11/2022, ou seja, bem perto do momento mais “nervoso” da Black Friday, geralmente nos 7 dias que antecedem o evento promocional de vendas. Não menos importante, para o planejamento logístico,  é a  equipe de operações pois, com a Copa do Mundo no meio do evento da Black, é preciso reter as equipes em operação, vez que  alguns funcionários podem sentir-se tentados a faltarem em alguns dias dos jogos, principalmente nos jogos do Brasil. Aí vale a criatividade dos gestores da operação, colocando TV na operação, parando a operação nos horários dos jogos, colocando pipoca, sorteando camisas da seleção, ofertando refrigerante e outras guloseimas para reter os funcionários no trabalho, durante os dias de jogos, além de é claro fazer uma gamificação para estimular a produtividade e aderência da equipe nas metas da operação, sempre com o foco de atender com qualidade os clientes e manter os funcionários satisfeitos.

Por fim, as Dark Stores (mini centros de distribuição urbanos), que foram impulsionadas na pandemia, também podem agilizar as entregas finais, pois geralmente eles posicionam os estoques mais perto dos clientes finais, dando velocidade nas entregas, armários inteligentes (clica e retira) também são bem-vindos, transporte colaborativo de cargas (visando reduzir os custos e otimizar as operações), estratégias e parcerias com empresas que possuem experiência em entregas para locais mais difíceis, sem cep, ou com cep´s bloqueados, por questões de segurança,  como exemplo o operador logístico, focado em distribuição urbana em favelas,   Favela Express, inclusive reduzindo ocorrências e no-shows nas entregas,  são algumas outras sugestões.

Espero ter contribuído e dado algumas dicas para que a Logística da Black Friday possa ser o mais eficiente, fluida e planejada possível, lógico que os erros irão acontecer;  por isso, a logística além de ciência, também pode ser considerada uma arte, para controlar os improvisos conscientes, assim como a tomada rápida de decisões, se possível lastreadas em dados e informações  por gestores experientes, pois a Black Friday já está inserida na nova economia: “na palma da mão”, “preço justo”, “posso avaliar”, “eu decido”, “quero rapidez com integridade do produto” e “ter uma experiência fantástica de consumo”.

Sérgio Maia é consultor e profissional de logística há 22 anos.  

Matérias Relacionadas

Abralog nas Redes

Últimas Matérias