Regionalização é estratégia para ampliar a malha de cobertura

A alta demanda por entregas, especialmente devido ao crescimento das compras em e-commerces, fez com que o setor logístico se adaptasse ao longo do último ano. Nos maiores centros urbanos, as entregas costumam ser rápidas e é comum encontrar serviços de entrega para o mesmo dia, mas as cidades interioranas e pequenas localidades não dispõem dessa facilidade. A regionalização é uma forma estratégica para ampliar a rede de cobertura no País e para a otimização dos processos.

O processo de regionalização, além de ser vantajoso para os consumidores, ainda contribui para o desenvolvimento de cidades que estão fora dos principais eixos comerciais e de produção, por meio da geração de emprego em unidades franqueadas.

“Estamos chegando a 10 milhões de entregas realizadas mensalmente, e é claro que isso não se restringe aos grandes centros. É preciso encontrar soluções para atingir o máximo de localidades possível, e a regionalização das entregas é uma opção que nos permite ampliar a malha”, diz Guilherme Juliani, CEO do Grupo MOVE3, que compreende as empresas Flash Courier, Moove+, Moove+ Portugal, a gráfica Jallcard e a fintech M3Bank.

Em um processo de regionalização, a variedade de formas de entrega também é positiva. Muitas vezes, operadoras logísticas trabalham com parcerias entre si ou com os Correios: “Pode acontecer que um pedido seja feito para um local onde uma certa transportadora não tenha cobertura. Nada impede que haja transferências de carga entre empresas, ou que os Correios finalizem a entrega, por exemplo. O que importa é que o produto chegue ao destinatário final”, explica o CEO.

Guilherme Juliani, CEO do Grupo MOVE3 (Divulgação)

Franquias

O modelo de franquias é um aliado para as empresas logísticas que querem ampliar sua área de cobertura. Por meio da instalação de unidades em mais cidades brasileiras, a comunicação entre a matriz e as filiais se torna mais fácil, rápida e eficiente, aprimorando a distribuição. “Vemos nas franquias uma forma excelente de ampliar nossas atividades e facilitar a comunicação entre diferentes regiões. Adotamos esse modelo há muito tempo e hoje contamos com mais de 354 unidades no Brasil”, comenta Juliani. A expectativa da empresa é dobrar o número de unidades franqueadas até 2022.

Esse modelo permite que as empresas logísticas intensifiquem sua atuação em diferentes regiões do País, descentralizando as atividades. Hoje, o grupo está presente em 899 cidades brasileiras, e tem uma presença mais forte nos estados do Sudeste e do Nordeste, que representam quase 55% das entregas realizadas mensalmente. “Buscamos cada vez mais parceiros em diferentes locais. Nossa meta é atingir o Brasil inteiro”, finaliza Juliani.

O Grupo MOVE3

O Grupo MOVE3 está presente no mercado há mais de 25 anos e é referência em logística no Brasil. Sediado em São Bernardo, no ABC Paulista, opera em um espaço de mais de 20 mil m². Entre as empresas que fazem parte do grupo está a Flash Courier, líder no setor bancário e com uma carteira de clientes composta por agências financeiras, bancos, empresas de ingressos, gestoras de benefícios como vale alimentação, refeição e transporte, planos de saúde, entre outros segmentos, além da Moove+, Moove+ Portugal, a gráfica Jall Card e a fintech M3Bank. Para se ter uma ideia da proporção da operação, atualmente, a malha de distribuição realiza em torno de 10 milhões de entregas por mês.

Nos últimos anos, o Grupo MOVE3 investiu pesado em tecnologia e inovação – como robótica, mobile, big data, automação e sharing economy – e no processo de adaptação às novas exigências do governo, em especial as obrigações de CT-e, MDF-e e SPED, que de maneira geral, têm o objetivo de garantir a transparência e a segurança durante o transporte. Além disso, a empresa está licenciada para operar no mercado de logística e distribuição de produtos certificados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), segmento que tem impulsionado ainda mais o crescimento da empresa.



Deixe uma resposta